ABERTURA

1. INTRODUÇÃO

Prezado(a) Participante,

 

O presente Relatório Anual de Informações (RAI) traz os mais relevantes dados gerenciais do Nucleos relativos ao exercício de 2018. O documento é robusto, com informações bastante consistentes e, apesar das fortes oscilações que marcaram praticamente todos os 12 meses do ano, o resultado do Instituto — como comprovam as páginas a seguir — foi positivo.  

 

Este balanço tem um marco oportuno, pois no presente ano de 2019 o Nucleos completa quatro décadas de existência. Ao longo da sua história, o Instituto enfrentou e venceu desafios, e as dificuldades administrativas, legais, financeiras e estruturais foram superadas com a dedicação das Diretorias e de seu corpo funcional — que deixaram suas incontestáveis contribuições para o fortalecimento e consolidação da entidade.

 

Hoje o Nucleos está consolidado e com um futuro alvissareiro, por sua gestão transparente, altamente profissional e eficiente; e pela ética, sobretudo. Uma história pontuada por fatos marcantes e grandes conquistas — e resumida na Linha do Tempo, a partir da página 12 desta publicação.

 

Uma vez mais, destaque-se que a divulgação do conteúdo do RAI visa atender à Resolução CGPC nº 23, de 6 de dezembro de 2006, e também tem por finalidade apresentar, de forma clara e completa, aos participantes, assistidos, patrocinadoras e colaboradores, o desempenho, as estratégias, os processos e a governança da entidade. Embora a edição da Instrução Previc nº 13, de 12 de novembro de 2014, tenha desobrigado as Entidades Fechadas de Previdência Complementar a remeter a edição impressa do relatório aos seus participantes, o Nucleos considerou pertinente enviá-lo aos participantes assistidos.

 

A versão online, digital, navegável e interativa desta publicação pode ser acessada via tablet ou smarthphone através do site (www.nucleos.com.br) ou pelo QR Code que aparece no canto superior direito da página 3. A versão resumida também foi elaborada para atender a Instrução Previc nº 13 de 12 de novembro de 2014.  

 

Por fim, vale destacar que as duas versões do RAI — impressa e digital — foram produzidas com o apoio dos anunciantes.

 

Boa leitura a todos!

Relatório
Anual

2018

2. MENSAGENS INSTITUCIONAIS

2.2. MENSAGEM DO CONSELHO DELIBERATIVO

Ano marcado pelo desafio do novo contexto previdenciário

O exercício de 2018 foi marcado pelas eleições presidenciais e pelo cenário desafiador das contas públicas, com a expectativa de aprovação das reformas estruturais — em especial, da Previdência — no presente ano. Se, de um lado, o pleito foi responsável em grande medida por meses de altos e baixos dos principais indicadores econômicos e financeiros do país, por outro lado o resultado das urnas trouxe aos participantes do Nucleos, bem como para o setor previdenciário como um todo, a perspectiva de entrada no país de investidores estrangeiros, de medidas de contenção de gastos públicos e de um crescimento maior do PIB brasileiro nos próximos anos. 

 

Especificamente no contexto de Previdência Social, o conceito relacionado ao planejamento financeiro-previdenciário tem recebido mais e mais atenção — e, nesse sentido, ganha espaço e relevância a questão da previdência complementar. Não por acaso, foi publicada em dezembro de 2018 a resolução nº 25, que contém diretrizes elaboradas pela Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações (CGPAR), do Ministério da Economia. Essas diretrizes orientam a alteração dos regulamentos dos planos de benefícios para adequação de um novo cenário de aposentadoria dos participantes de fundos de pensão.

De forma a adequar-se à nova realidade do setor, o Nucleos constituiu um Grupo de Trabalho com a participação de representantes indicados pelas quatro patrocinadoras (Eletronuclear, INB, Nuclep e do próprio Nucleos). Seu objetivo é definir e implementar um Plano de Ação visando à abertura dos novos planos de Contribuição Definida (CD) e, concomitantemente, promover o fechamento do atual Plano Básico de Benefícios (BD).

 

2.1. MENSAGEM DA DIRETORIA EXECUTIVA

O Nucleos completa quatro décadas de existência em 2019 com bons motivos para comemorar. Ao longo destes 40 anos, o Instituto teve de enfrentar uma série intermitente de grandes desafios, internos e externos, que afetaram, em épocas passadas, o necessário crescimento de seu patrimônio. Com perseverança, rigor, bom senso e, acima de tudo, transparência e decisões técnicas, a entidade superou cada obstáculo e, hoje, está sólida e é respeitada no setor de Previdência Complementar.

Se foram grandes os desafios, as conquistas ao longo desse caminho revelaram-se ainda mais superlativas. Há dez anos, chegamos a um patrimônio de R$ 1 bilhão, depois 
R$ 2 bilhões, R$ 3 bilhões e, estimamos, em setembro, ao completar 40 anos, atingiremos a marca de 4 bilhões; alcançamos e mantemos as mais prestigiosas certificações internacionais de qualidade e segurança de nossos controles internos; promovemos uma bem conduzida mudança de gestão de nossos recursos, que se refletiu, notadamente, no desempenho dos investimentos; montamos e aprimoramos continuamente uma equipe de profissionais altamente especializados em suas atribuições.

 

Cada passo foi dado a partir de uma criteriosa avaliação de risco e de decisões amplamente discutidas e amadurecidas sem pressões extemporâneas — decisões que reforçam a adoção das melhores práticas de governança corporativa de equidade, transparência, prestação de contas e ética, fundamentais para a perenidade do Nucleos. 

Assim, é possível assegurar aos nossos participantes e assistidos que o patrimônio do Nucleos tem uma administração de absoluto zelo, seriedade e competência — para que o Instituto possa honrar o compromisso com os seus cerca de 5 mil participantes e assistidos de garantir a cada um deles uma qualidade de vida digna na aposentadoria.

 

Por tudo isso, o presente Relatório Anual de Informações não poderia ter outro tema que não os 40 anos da criação do Nucleos. Uma história que, reafirmarmos com muito orgulho, é de absoluto sucesso.

Em relação aos resultados do Instituto, principal foco deste relatório, os dados são positivos. Embora 2018 tenha sido um dos exercícios mais desafiadores dos últimos anos para todas as entidades fechadas de previdência complementar, o nosso Programa de Investimentos fechou 2018 com uma rentabilidade acumulada de 10,44%, frente a uma meta atuarial de 9,24%. A superação da meta deveu-se em grande medida aos bons resultados obtidos em títulos públicos indexados ao IPCA (Renda Fixa) e no mercado acionário (Renda Variável), como é detalhado nos capítulos a seguir.


O cenário em 2018 foi marcado por muitas oscilações. No campo positivo as principais contribuições vieram da expectativa de crescimento das economias dos países desenvolvidos, do preço das commodities em patamares elevados e, ainda, da divulgação de dados econômicos brasileiros sólidos. Por outro lado, as oscilações negativas que pontuaram o exercício foram provocadas, entre outras causas no contexto internacional, pela mudança no cenário derivada do arrefecimento do crescimento da economia mundial e na esfera doméstica, pela greve dos caminhoneiros e incertezas do mercado em função da indefinição relacionada às eleições no Brasil.

Esse quadro só começou a ser definido no período eleitoral brasileiro, com as perspectivas de serem realizados um ajuste fiscal e a reforma da previdência, principalmente. A vitória no segundo turno do candidato mais alinhado com o mercado fez com que os ativos entrassem numa rota de valorização. Nesse período, o Nucleos, responsável pelas decisões de macroalocação dos investimentos, tomou a decisão de aumentar a exposição da entidade em títulos públicos indexados ao IPCA e em Renda Variável. Com isso, mais uma vez o Instituto conseguiu cumprir o compromisso de rentabilizar o seu patrimônio acima da meta atuarial, e mantendo um excelente nível de liquidez.

Finalizando, deixamos consignado que o Nucleos, nos últimos anos, manteve-se no rumo certo em decorrência: de a Diretoria Executiva, de os Conselhos Deliberativo e Fiscal e de todos os colaboradores do Instituto formarem uma equipe integrada, comprometida com um trabalho intenso, privilegiando as ações que foram melhores para o nosso fundo de pensão, e obviamente seguindo as regras emanadas pelos órgãos reguladores e de supervisão e fiscalização. 

Uma boa leitura!

A Diretoria Executiva

3.1. PRINCIPAIS REALIZAÇÕES EM 2018

Três acontecimentos de grande relevância marcaram o exercício de 2018 do Nucleos. O primeiro deles, em abril, foi a recondução a seus cargos, para mais um mandato, de Armindo D’Ascenção Silva e Luiz Claudio Levy Cardoso, respectivamente presidente e diretor financeiro do Nucleos. Nessas funções desde 2015, os dois executivos permanecerão onde estão até julho de 2021.

O segundo fato importante ocorreu no final de junho, quando o Instituto teve os seus processos e controles internos verificados pela auditoria independente Bureau Veritas. Após cuidadosa análise, o organismo certificador constatou que os mesmos estão em total conformidade com a norma de Sistema de Gestão da Qualidade ISO 9001:2015, reconhecida internacionalmente, e que os gestores e colaboradores do Nucleos mantêm a busca de um mesmo objetivo: a melhoria contínua da qualidade.


Em agosto foi divulgado o resultado da Pesquisa de Satisfação 2018, realizada por uma empresa independente e especializada durante o mês de abril, com metodologia quantitativa e um total de 27 perguntas estruturadas em questionário eletrônico. Os participantes do Nucleos avaliaram a entidade de forma bastante positiva: 87,6% do total da amostra (514 respondentes; ou seja, mais de 10% do total de participantes ativos, aposentados, pensionistas e em auxílio-doença) consideraram o Instituto “excelente” ou “bom”.

Outro destaque da pesquisa foi a pergunta “Eu recomendaria a adesão ao Fundo de Pensão do Nucleos a um novo empregado da minha patrocinadora”, que obteve a concordância, total e parcial, de 84,2% dos entrevistados. Nessa edição da pesquisa, as avaliações de satisfação foram maiores entre os grupos de assistidos (aposentados, pensionistas e em auxílio-doença), justamente aqueles que já experimentam o recebimento dos benefícios e que, talvez, podem melhor avaliar a importância do Instituto e do plano. O grau de aprovação (somatório das avaliações “excelente” e “bom”) do Nucleos alcança 95,1% entre aposentados e 100% entre pensionistas e participantes em auxílio-doença.

A pesquisa detectou que 48,4% dos entrevistados solicitaram ao Instituto algum tipo de informação, serviço ou orientação nos últimos 12 meses. E 87,5% desses entrevistados classificaram a qualidade do Atendimento do Instituto como “excelente” ou “boa”. Em relação aos canais de comunicação do Nucleos, eles foram aprovados por 80,5% dos participantes, sendo que o site da entidade recebeu a aprovação de 84,4% dos respondentes. O canal preferido são os boletins eletrônicos por e-mail (80,8%).

3.2. PRINCIPAIS FATOS RELACIONADOS AOS 40 ANOS DO NUCLEOS

 

3. FATOS MARCANTES

Este Relatório foi produzido com o apoio dos seguintes anunciantes:
Relatório Anual de Informações 2018
Nucleos – Instituto de Seguridade Social
Av. República do Chile, 230/ 15º andar - Ala Sul
Centro - 20.031-919 - Rio de Janeiro - RJ
Acesse a versão PDF clicando na imagem ao lado.